Comentários

    9 dicas infalíveis de como vender na internet

    Não existe um mapa da mina, mas sim um caminho moldado a partir de pesquisa, acompanhamento do comportamento do consumidor e das métricas de desempenho do negócio.
    By Rafael Franco

    Não existe um mapa da mina, mas sim um caminho moldado a partir de pesquisa, acompanhamento do comportamento do consumidor e das métricas de desempenho do negócio.

    Mesmo em meio ao cenário político e econômico delicado, o e-commerce mostrou-se viável aos investidores. Contudo, é necessário ter uma estratégia eficiente, capaz de atender às demandas do consumidor e do negócio.

    Acompanhe nossas dicas de como vender na internet!

    Veja os números do mercado brasileiro

    Em 2016, o faturamento do mercado virtual brasileiro chegou aos R$ 44,4 bilhões, o que representa um aumento de 7,4% se comparado ao ano anterior. Os números são da Ebit, que mostrou também a perspectiva de faturamento em 2017. Segundo ela, os números devem superar os R$ 47 bilhões.

    Aprenda como vender na internet

    Não existe um mapa da mina, mas sim um caminho moldado a partir de pesquisa, acompanhamento do comportamento do consumidor e das métricas de desempenho do negócio. Vamos às dicas:

    1. Esteja preparado para vender na internet

    Isso quer dizer que você precisará de um planejamento que vai incluir aspectos como os investimentos necessários, como você vai vender, qual a plataforma que usará, quais os fornecedores, qual o seu público-alvo, quais são os concorrentes e qual será sua estratégia de marketing.

    Montar um negócio na web pode ser lucrativo, mas será preciso um planejamento sólido, que também deve incluir metas a serem cumpridas em médio e longo prazo. Um plano de negócio interessante é o Business Model Canvas, em que o empreendedor pode ilustrar todas as fases iniciais do negócio para ter um direcionamento.

    2. Conheça o produto e o mercado

    Vender pela internet é como expor seus produtos na maior avenida do mundo, com várias marcas buscando o seu lugar. É preciso conhecer o produto, quem ele atinge e a concorrência. Dessa forma, você passa a entender o posicionamento de mercado, os custos e a viabilidade financeira, entre outros fatores para o sucesso do negócio.

    Uma ótima forma de conhecer o mercado é estudar a concorrência, sobretudo os líderes de mercado. O que eles fazem que está dando certo? O que poderia ser melhorado? Qual o posicionamento deles?

    Você não vai precisar copiá-los, mas sim moldar sua estratégia com um foco específico. Aprendendo com a concorrência, você verá como pode inovar, saberá o que eles não abordaram e entenderá quais nichos ainda não foram explorados.

    3. Conheça os canais de vendas na internet

    Existem diferentes canais, porém vamos focar nos dois mais conhecidos: e-commerce e marketplace. Veja a diferença de cada um:

    E-commerce

    Similar a uma loja física, é um ambiente que possui todas as ferramentas para que um usuário possa escolher um produto, efetuar o pagamento e receber em casa. Vai exigir uma plataforma, a qual aportará toda a estrutura para a conclusão da venda.

    Marketplace

    Diferente da loja virtual que é destinada a uma só marca, o marketplace reúne vários vendedores em um só endereço da web. É parecido com um shopping center, uma vez que vários vendedores possuem um espaço para a venda, sem se preocupar com a infraestrutura, mas, em troca, pagam uma comissão por venda realizada.

    4. Foque na experiência do usuário (UX)

    Se optar por vender em um e-commerce, terá que explorar as opções da UX. O foco na experiência do usuário significa que todos os pontos disponibilizados no website devem funcionar de forma adequada. O consumidor precisa encontrar o que procura com facilidade ou pode desistir da compra. Para isso, é importante oferecer:

    • layout intuitivo, voltado para o público e com filtros de busca eficientes;
    • páginas com carregamento rápido;
    • produtos bem descritos, com fotos nítidas e modo de usar (se for preciso);
    • anúncios bem posicionados e relevantes;
    • formulários rápidos. O ideal é o uso de um login social para acesso, utilizando redes sociais, sem necessidade de formulários extensos.

    5. Mantenha o ambiente seguro

    Se o consumidor não se sentir seguro, ele não vai comprar. Pior se ele tiver alguma experiência negativa relacionada à compra, pois vai passar para outras pessoas a insatisfação que teve com a negociação. Para que isso não aconteça com você, o primeiro passo é ter um certificado de segurança SSL, que vai criptografar as informações compartilhadas entre cliente e e-commerce.

    Alguns deles nem compram se não houver o cadeado no canto da tela, que ateste que a loja virtual tem um ambiente seguro. Além do certificado, o e-commerce deve investir em um bom firewall para evitar ataques externos, uma política de segurança com padrões adotados para as vendas, análise de risco etc.

    6. Ofereça diferentes formas de pagamento

    Se a plataforma não oferecer uma forma eficaz e completa de pagamentos, serão necessários os serviços de um intermediador de pagamento. Ele é capaz de integrar as principais plataformas de e-commerce, realizando todos os trâmites. O usuário efetua o pagamento para o intermediador, que repassa os valores para a loja virtual em um prazo que varia de 2 a 405 dias, dependendo do plano e do percentual repassado ao facilitador.

    7. Foque na logística

    O foco na logística deve começar na gestão do estoque e ir até o pós-venda, com o feedback do comprador. Para isso, é importante elaborar um plano que facilite a identificação dos produtos no estoque, o reconhecimento da embalagem apropriada, o envio do produto, os avisos durante o envio da encomenda e da chegada.

    Até mesmo a devolução de produtos deve ser pensada para garantir a satisfação do cliente.

    8. Tenha uma estratégia de divulgação

    Se está no ambiente virtual, nada mais interessante do que utilizar uma metodologia para a venda na web — as principais delas são os links patrocinados e o inbound marketing. O primeiro tem foco nos anúncios nos buscadores e nas redes sociais, enquanto o segundo visa a disseminação de conteúdo em blogs, sites, redes sociais e outros canais da web.

    O inbound marketing é um pouco mais complexo, uma vez que utiliza o conteúdo como chamariz de consumidores. Dessa forma, o negócio cria (ou contrata alguém para criar) posts, vídeos, imagens entre outros formatos com o intuito de informar e entreter o internauta. Assim, a estratégia consegue sua atenção, o traz até o negócio e estreita sua relação com ele. Quando for o momento de comprar, ele terá sua marca na cabeça e será mais fácil concluir a venda.

    9. Mensure resultados

    Todos os esforços de marketing digital podem ser medidos para aperfeiçoar a estratégia. Você pode saber quantos acessos teve, de qual site ou rede social eles vieram e a localização do visitante. Também pode-se medir o número de desistências de compra, a taxa de conversão, entre outras informações que ajudarão a identificar o que está dando certo e o que precisa ser melhorado.

    Agora que você já sabe como vender na internet, é o momento de se planejar e vencer. Afinal, esse é um ambiente competitivo, que exige comprometimento, criatividade e estudo para a tomada de boas decisões.

    Gostou do que leu? Aproveite para aprender como montar uma loja virtual de sucesso.

    Categorias:
      E-commerce  Mercado  
    esse post foi compartilhado 0 vezes
     300
    Sobre

     Rafael Franco

      (65 posts)

    Rafael Franco é fundador da Alphacode, programador, especialista em TI com mais de 15 anos de mercado, apaixonado pela tecnologia e como ela pode influenciar nossas vidas.