Comentários

    10 boas práticas para empreender em seu novo negócio

    Está começando um novo negócio? Então acompanhe nosso post com 10 boas práticas para empreender!
    By Rafael Franco

    início da jornada empreendedora é difícil e surgem muitas dúvidas. Para ter sucesso, é preciso ficar atento às boas práticas para empreender. Sobretudo, não existe uma fórmula mágica que garanta ao empreendedor ser bem-sucedido em suas empreitadas, mas sim algumas atitudes que podem guiá-lo à ascensão.

    Tendo isso em vista, reunimos 10 boas práticas neste artigo para auxiliar você a empreender em seu novo negócio. Acompanhe o texto e fique por dentro de tudo!

    1. Busque uma área com a qual você se identifique

    Antes de iniciar a jornada empreendedora, é preciso considerar que o mercado de atuação escolhido pode estar presente por um longo período de sua vida. Muitos empreendedores têm uma boa ideia, iniciam o seu negócio antes mesmo de terminarem a faculdade e continuam com ele até se aposentarem. Se por um lado isso pode soar meio monótono, o que devemos considerar é que negócios prósperos indicam o seu sucesso.

    Por exemplo: você acharia ruim ser o Bill Gates e dedicar toda uma vida à Microsoft? Claro que essa é uma resposta relativa, pois se você não gosta de tecnologia, nem todo dinheiro do mundo poderia fazer você se adaptar a esse mercado.

    Portanto, tenha em mente que, além dos retornos financeiros, é importante que a área em que você pretende atuar esteja relacionada diretamente aos seus desejos, motivações e competências.

    Arregace as mangas

    Se você já encontrou a área que se identifica, é chegada a hora de colocar a sua ideia em ação — afinal, de nada adianta uma boa ideia sem ação, não é mesmo? No empreendedorismo, existe uma velha máxima que diz que “começar um empreendimento exige 1% de inspiração e 99% de transpiração”.

    Em outras palavras, é preciso trabalhar duro para que a sua ideia se torne um negócio viável e lucrativo. Ao longo do texto daremos dicas para você — que está começando — tirar a sua ideia do papel de forma eficaz.

    2. Mantenha-se motivado

    O caminho até o sucesso é cheio de críticas e negatividades. Assim, o empreendedor que se lança em criar um negócio novo — e disruptivo — está sujeito a questionamentos e avaliações desmotivadoras que partem de conhecidos, amigos e até mesmo familiares. Tudo isso pode fazer com que você perca a confiança.

    Aqui, o fundamental é mudar essa perspectiva e encontrar meios de transformar a negatividade em motivação para seguir a diante. Tenha em mente que as pessoas costumam criticar o desconhecido. Mas se você tem confiança no seu projeto, essas críticas não poderão abalar você!

    Busque a automotivação

    Quando tudo parece jogar contra você — familiares, amigos etc. — é chegada a hora de buscar a automotivação no seu interior. Para tanto, é necessário saber usar a negatividade para te motivar.

    De fato, essa negatividade pode se manifestar de muitas formas — dúvidas, comentários maldosos, pessoas querendo te colocar para baixo intencionalmente etc. Contudo, a melhor estratégia é mudar a perspectiva: encontrar uma fonte de motivação e poder que te ajude a assumir as rédeas da sua história. Ou seja, que não permita que a negatividade seja o centro das atenções.

    Se alguém criticou você ou a sua ideia, por exemplo, pondere se esses comentários são relevantes. Por mais difícil que possa parecer, todo feedback pode trazer insights na sua jornada empreendedora. Caso exista algum tipo de razão na crítica, procure melhorar os erros apontados. Assim, extraia aprendizado desses feedbacks e tenha criatividade para criar ações que favoreçam o seu crescimento pessoal e do seu negócio.

    Se você achar válido, faça um agradecimento sincero pela crítica. Essa simples atitude faz com que as pessoas tenham mais respeito pelos seus objetivos e ponderem as palavras em uma próxima abordagem.

    3. Crie hábitos positivos e boas práticas para empreender

    Hábitos negativos são responsáveis por manter o empreendedor estagnado ou em direção ao fracasso. Alguns exemplos de hábitos negativos são: a preguiça, a desorganização e a falta de disciplina. A chave para mudar a situação é transformar esse tipo de atitude em rotinas positivas. O que importa não é somente ter pensamentos positivos, mas também criar ações cotidianas focadas em boas práticas para o seu negócio.

    Focalize os objetivos

    Para não deixar que os obstáculos atrapalhem a sua jornada empreendedora, concentre-se em manter o foco nos objetivos que pretende alcançar. Portanto, esqueça os pontos negativos e empecilhos — como os hábitos negativos mencionados anteriormente — e procure se concentrar naquilo que realmente importa para o seu negócio.

    Sem dúvidas, você pode optar por ter uma visão mais otimista ou pessimista de suas possibilidades. A escolha pelo positivismo abre possibilidades ao empreendedor e tira o foco de suas limitações. Desse modo, tenha uma atitude mais positiva e não tenha medo dos obstáculos: encare-os como desafios que devem ser vencidos!

    4. Desenvolva um plano de negócios

    O plano de negócios é fundamental para a aprendizagem sobre o seu negócio e o mercado em que ele estará inserido. O uso da ferramenta vai auxiliá-lo a traçar suas metas e objetivos a curto, médio e longo prazos.

    Encare o plano de negócios como um organismo vivo que vai mudando e evoluindo ao decorrer do seu projeto e com as novidades do mercado. Se você ainda não tem um plano de negócios, invista um tempo para desenvolvê-lo o quanto antes. E se você já tem, revise-o hoje mesmo!

    Coloque a mão na massa

    Em primeiro lugar você precisa responder as seguintes perguntas:

    • qual é o seu negócio?
    • o que você vende e como vai ganhar dinheiro com isso?
    • qual é o seu mercado (nicho de mercado, público-alvo etc)?

    Feito isso, chegou a hora de criar o seu plano de negócios, que deve conter os seguintes tópicos:

    1. Sumário Executivo: é um resumo de cada seção que o leitor verá ao longo do plano de negócios;
    2. Análise de Mercado: aqui você apresenta as oportunidades e possíveis demandas para o seu negócio;
    3. Plano de Marketing: mostra como será feita a divulgação e oferta dos produtos e serviços;
    4. Plano Operacional: detalha os equipamentos, quantidade de pessoas, tempo para execução e outras demandas para o desenvolvimento ou comercialização dos produtos e serviços;
    5. Plano Financeiro: aponta os investimentos fixos, capital de giro, investimentos pré-operacionais, demonstrativo de resultados e outros pontos que ajudem a entender em quanto tempo a empresa terá o seu ponto de equilíbrio (faturamento mínimo para o negócio não ter prejuízo).

    Dar a devida atenção a cada um desses tópicos é fundamental para apresentar as vantagens competitivas do seu negócio para parceiros, investidores etc.

    5. Tenha um sistema de gestão eficiente no seu novo negócio

    Um bom sistema de gestão permite que você tenha o controle dos planos que estão sendo executados no seu negócio e possibilitam uma visão completa do projeto. Além do mais, um sistema de gestão eficiente possibilita que o seu novo negócio tenha:

    • gerenciamento avançado dos seus processos;
    • monitoramento dos resultados;
    • intimidade com o cliente — por meio da criação de um relacionamento focado em seu comportamento (preferências, hábitos etc.);
    • otimização de fornecedores;
    • mitigação de riscos;
    • aproveitamento de oportunidades — geradas com o aproveitamento das informações;
    • maior acerto nas escolhas —  também graças às informações disponibilizadas;
    • desenvolvimento geral eficaz.

    Procure implementar ferramentas que possam se integrar, criando assim um projeto customizado com atenção aos detalhes específicos do seu negócio.

    6. Aprimore seus conhecimentos

    Engana-se muito o empreendedor que pensa que o estudo é algo para os tempos de colégio e faculdade. O aprendizado constante é fundamental para alcançar o sucesso nos negócios — principalmente para empreendimentos novos. O conhecimento dá confiança ao empreendedor para se lançar ao desconhecido, porém, com uma base de aprendizado que evita os erros que podem leva-lo ao fracasso.

    Imagine, por exemplo, um professor que ministra aulas de informática em uma escola famosa. De fato, a profissão parece segura e promissora. Contudo, esse professor tem o espírito empreendedor e decide juntar-se à sua esposa para criarem o seu próprio curso de informática. Em princípio, isso pode parecer uma boa ideia — principalmente porque o professor sempre dedicou à sua carreira, dando aulas. Logo, qual dificuldade pode haver em montar uma escola de informática?

    Ao mudar o foco para o seu próprio curso de informática, mais da metade do tempo do professor passou a ser gasto com vendas e gestão. E é aí que muitos “empreendedores de primeira viagem” se atrapalham — e isso não foi diferente com o professor do nosso exemplo e com sua esposa, que também não tinha esses conhecimentos.

    Gerir um negócio próprio envolve muitas funções que exigem capacitação. Assim, quanto mais você se desenvolve como gestor de negócios, mais seguro e confiante você fica. Além disso, você se prepara para os obstáculos da jornada empreendedora e minimiza os riscos de fracasso.

    Portanto, procure capacitar-se por meio de boas faculdades e cursos de pós-graduação. Além disso, participe de palestras e outros eventos sobre empreendedorismo. Existem muitas aceleradoras de startups e faculdades que oferecem workshops (inclusive, gratuitos) com ótimos conteúdos específicos sobre o assunto!

    7. Faça uma pesquisa de benchmarking

    Estudar sozinho e por meio de cursos e palestras é engrandecedor. Mas, além disso, é preciso observar o que a experiência de outros empreendimentos pode agregar para o empreendedor que está começando. E é sobre isso que o benchmarking se trata: um processo de analisar e avaliar o desempenho de outras empresas — concorrentes ou não —, com foco na implementação das melhores práticas em seu negócio.

    A seguir, veja os pontos cruciais para implementação do benchmarking no seu novo negócio:

    1. Análise interna: compreenda quem você é para entender o que pode ser melhorado;
    2. Identificação das empresas de “excelência”: conheça os grandes players do mercado;
    3. Definição de métodos e estratégias para captura de informações: saiba como conseguir dados relevantes sobre essas empresas;
    4. Análise de mercado: aprofundaremos nesse assunto, no próximo tópico;
    5. Identificação de lacunas: conhecimento das deficiências no desempenho dos grandes players de mercado;
    6. Projeção de níveis de desempenho: aproveitamento das lacunas identificadas;
    7. Implementação das ações: coloque em prática o aprendizado;
    8. Reavaliação: estudo contínuo de oportunidades.

    Tudo que for aprendido com a experiência alheia pode ser implementado no seu negócio. Além do mais, os fracassos de outros empreendedores podem servir de lição para as ações que não devem ser tomadas.

    8. Conheça o mercado

    A pesquisa de mercado direciona o empreendedor a criar soluções que resolvam os problemas de reais seus clientes. Por isso, é importante que ela seja feita dando atenção às hipóteses levantadas anteriormente.

    De fato, não existem fórmulas mágicas para a busca de informações em uma pesquisa de mercado. Contudo, existem métodos sistematizados e formas mais práticas para alcançar esse objetivo. Assim, você pode utilizar fontes de dados primários (aquelas que você mesmo coletou) ou fontes de dados secundários (informações coletadas e disponibilizadas por terceiros).

    Uma pesquisa bem elaborada e executada com base em fontes de dados primários é aquela em que o empreendedor prepara as perguntas certas e vai a campo conversar com seu o público-alvo. Dê preferência às perguntas abertas e que possibilitem ao entrevistado dar respostas ricas. Nessa conversa com o seu público-alvo, vários insights de negócios podem surgir!

    9. Fique atento às novas tendências

    Num mercado cada vez mais saturado, é importante ficar atento às tendências e oferecer sempre diferenciais estratégicos em relação aos seus concorrentes. Fique antenado para não investir muito tempo e dinheiro em modas passageiras.

    Por exemplo: recentemente, vimos uma forte tendência no ramo de brinquedos. O passatempo lúdico consistia em girar um objeto com os dedos e ver qual rodava mais (conhecido como “Hand Spinner”). No entanto, essa foi uma moda passageira, e o empreendedor que decidiu investir no longo prazo certamente teve de arcar com um grande prejuízo.

    Por outro lado, aqueles que souberam aproveitar a moda e oferecer diferenciais (novo design, luzes etc) conseguiram um bom faturamento em pouco tempo. Assim, busque estabelecer a sua empresa como referência no nicho de mercado escolhido.

    10. Estabeleça metas e acompanhe as métricas financeiras

    Coloque prazos e objetivos para cada etapa do seu projeto. Assim, você terá maior controle sobre o tempo que cada ação demandará. Além disso, é fundamental acompanhar as métricas financeiras, pois elas são medidores que apontam o desenvolvimento do seu negócio.

    As métricas mais utilizados são: ROI (Retorno Sobre o Investimento), margem de lucro, CAC (Custo de Aquisição de Clientes), entre muitas outras. Com isso em mente, estabeleça quais métricas são importantes para o seu negócio e não deixe de acompanhá-las!

    Gostou deste artigo e das boas práticas para empreender em seu novo negócio? Já aplica alguma delas em seus projetos ou pretende implementá-las em breve? Comente aqui no post as suas experiências!

    Categorias:
      Mercado  
    esse post foi compartilhado 0 vezes
     100
    Sobre

     Rafael Franco

      (69 posts)

    Rafael Franco é fundador da Alphacode, programador, especialista em TI com mais de 15 anos de mercado, apaixonado pela tecnologia e como ela pode influenciar nossas vidas.